- Locais de Registros de Fauna e Flora
2002
escala 1:100.000 (DWF), 1:200.000 (JPG) e 1:100.000
||||

* Para visualizar os mapas, consulte a seção Índice de Mapas



Apresentação


A Flora do Município de São Paulo

Quanto aos dados de flora, são apresentadas neste trabalho informações produzidas pela equipe do Herbário Municipal, referentes às seguintes áreas (veja a tabela):

- 19 parques municipais: Parque Alfredo Volpi, Parque Anhanguera, Parque Chico Mendes, Parque Cidade de Toronto, Parque Aclimação, Parque da Luz, Parque do Carmo, Parque Ibirapuera, Parque Piqueri, Parque Guarapiranga, Parque Independência, Parque Lina e Paulo Raia, Parque Previdência, Parque Raposo Tavares, Parque Santa Amélia, Parque Santo Dias, Parque Tenente Siqueira Campos, Parque Vila dos Remédios, CEMUCAM (situado em Cotia);

- 12 áreas em que foram realizadas coletas durante o Projeto "Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo". Referem-se a 2 áreas estaduais (Parque Estadual da Serra do Mar e APA do Iguatemi), 1 área municipal (APA do Carmo), e 09 áreas particulares (Camping Ana Paula, Centro Paulus, Condomínio Vargem Grande, Fazenda Capivari, Marsilac, Represa Billings, Sítio São José Guilguer, Sítio Morro Verde e área situada no Município de Ferraz de Vasconcelos);

- 5 áreas municipais nas quais foram realizadas coletas com maior ou menor freqüência, dependendo dos objetivos específicos de cada levantamento (Aterro Jacuí, Jardim Herculano, Jardim Shangri-la, Reserva Morumbi, Tiquatira);

- 4 áreas particulares em região de possível interferência do projeto do Anel Viário – Trecho Sul, onde pretende-se realizar solturas de animais silvestres (Tênis Clube Paulista, Fazenda Castanheiras, Bororé, e Clube da Varig);

- 3 áreas particulares com remanescentes de vegetação florestal (Ilha dos Eucaliptos, SESC Interlagos e Sapopemba);

- 4 unidades de conservação estaduais (Reserva da CUASO, P.E. Cantareira, P.E. Fontes do Ipiranga, Parque. Ecológico do Tietê).

Dentre as áreas com mata apresentadas, apenas o Pq. Santo Dias teve os dados publicados (Garcia & Pirani, 2001). A flora do Pq. Estadual da Serra do Mar - Núcleo Curucutu, está sendo objeto de tese de R.J.F. Garcia e teve uma lista preliminar divulgada no Congresso Nacional de Botânica de 2001.

Dentre os tipos de vegetação citados, estão aqui representados, conforme classes de vegetação apresentados no mapa da cobertura vegetal (Mapa 3):

- Floresta ombrófila densa, “mata”: APA do Carmo, Fazenda Sabesp – Capivari, Pq. Santo Dias, Pq. Anhangüera, Pq. Carmo, Pq. Chico Mendes, Pq. Guarapiranga, Pq. Previdência, Pq. Vila dos Remédios, Reserva do Morumbi e Cemucam – Cotia e outras da tabela;

- Floresta ombrófila densa alto montana (mata nebular), “mata”: Pq. Estadual da Serra do Mar - Núcleo Curucutu;

- Floresta ombrófila densa sobre turfeira: Cratera da Colônia;

- Campos naturais (campos alto montanos), “campo”: Pq. Estadual da Serra do Mar - Núcleo Curucutu;

- Reflorestamento, “bosque de pinus”: Pq. Estadual da Serra do Mar - Núcleo Curucutu;

- Formações de várzea - campos (brejo): Cratera da Colônia, APA do Carmo, Tiquatira e o Parque Ecológico do Tietê.

Apesar da heterogeneidade dos dados, é possível, a partir dos mesmos, visualizar a distribuição espacial de espécies com especial interesse para conservação (por exemplo, localização de áreas com exemplares de espécies ameaçadas).

Tipos de vegetação - Quanto aos tipos de vegetação registrados para o município, os dados não permitem ‘a priori’ discernir os estádios sucessionais, embora seja possível, a partir do cruzamento de dados de flora, dar indicações sobre tal caracterização.

Foram consideradas como “áreas antrópicas” os jardins, os bosques implantados (mesmo que com espécies nativas), os pomares e os campos antrópicos (aqueles cuja flora é caracterizada por espécies herbáceas ruderais, muitas vezes cosmopolitas). Em qualquer uma das áreas citadas encontramos tais situações, mas são caracteristicamente predominantes nas seguintes áreas: Pq. Anhangüera, Pq. Aclimação e Pq. Lina e Paulo Raia (Pq. Conceição), além de presentes com boa representação no Pq. Previdência.

Abaixo estão listadas algumas espécies da flora encontrada no município de São Paulo, ilustradas por fotos de autoria da equipe do Herbário Municipal (DEPAVE-4) da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente:

Lytocarium hoehnei (Burret ) Toledo - Cratera da Colônia

Lytocarium hoehnei ( Burret ) Toledo - Cratera da Colônia

Cratera da Colônia

Cratera da Colônia

Abutilon regnelli Miq. - Camping Ana Paula

Sophronites coccinea Rchb.f - PESM Núcleo Curucutu

Hippeastrum aulicum ( Ker-Garol) Herb. Lili - PESM - Núcleo Curucutu

Subosque de eucaliptal - Pq do Carmo

Psychotria ruelliifolia ( Cham. & Schtdl.) Müll.Arg.
Pq Ecologico APA do Carmo

Fazenda da SABESP - Rio Capivari

Parque Cidade de Toronto – Capim dos Pampas

Jacaranda mimosifolia D.Don - Pq Ibirapuera

Ficus sp ( Figueira mata-pau) sobre palmeira - Pq ibirapuera

Elaeis guineense Jacq. - Dendê ; frutos - Pq Ibirapuera

Elaeis guineense Jacq. - Dendê ; conjunto - Pq Ibirapuera

Sterculia chicha A.St..-Hil. - Chichá - Pq Ibirapuera

Macaranga grandiflora ( Blanco ) Merrill - Macaranga - Pq Ibirapuera

Macaranga grandiflora ( Blanco ) Merrill - Macaranga ; inflorescência - Pq Ibirapuera

Roystonea oleracea (Jacq) O.F.Cook - Palmeira imperial - Pq da Luz

Agathis dammara ( Lamb.) L.C.Rich. - Araucaria manila Copal - Pq da Luz

Ficus microcarpa L. f. - Pq da Luz

Artocarpus heterophyllus Lam. - Pq da Luz

Momordica charantia L.

Delonix regia (Bojer) Raf.LegC. - Flamboiã - Pq Ibirapuera

Euphorbia pulcherrima Willd. - Asa de papagaio - Pq Ibirapuera

Senna macranthera (Collad.) Irwin&Barnaby - Manduirana - Pq Ibirapuera

Senna macranthera (Collad.) Irwin&Barnaby - Manduirana - Pq Ibirapuera

Pachystachys lutea Nees - Camarão ; botão floral - Pq Ibirapuera

Brunfelsia uniflora D.Don - Manacá de cheiro - Pq Ibirapuera

Hemerocallis flava L. - Lírio amarelo ( Liliácea) - Pq Ibirapuera

Couroupita guianensis Aubl. - Abricó de macaco , detalhe da flor - Pq Ibirapuera

Couroupita guianensis Aubl. - Abricó de macaco , flor e frutos - Pq Ibirapuera

A Fauna do Município de São Paulo

Considerando que o ponto de partida para o manejo e a conservação das áreas verdes é conhecer a sua biodiversidade, a Divisão Técnica de Medicina Veterinária e Manejo da Fauna Silvestre do Departamento de Parques e Áreas Verdes (DEPAVE) vem realizando o levantamento da fauna de vertebrados do município de São Paulo desde 1993, com a colaboração de outras instituições, conforme citado anteriormente.

Até o presente foram feitos registros de fauna nas seguintes localidades (como apresentado na tabela, ítem 1 do menu à direita):

- 30 Parques Municipais: Pq. Aclimação, Pq. Alfredo Volpi, Pq. Anhanguera, Pq. Buenos Aires, Pq. Burle Marx, Pq. Chico Mendes, Pq. Cidade de Toronto CEMUCAM, Pq. Do Carmo, Pq. dos Eucaliptos, Pq. Guarapiranga, Pq. Ibirapuera, Pq. Independência, Pq. Jardim Felicidade, Pq. Lina e Paulo Raia, Pq. Lions Clube, Pq. Luiz Carlos Prestes, Pq. da Luz, Pq. Nabuco, Pq. Piqueri, Pq. Previdência, Pq. Raul Seixas, Pq. Rodrigo de Gasperi, Pq. Santa Amélia, Pq. Santo Dias, Pq. São Domingos, Pq. Severo Gomes, Pq. Tenente Siqueira Campos, Pq. Vila dos Remédios, Pq. Vila Guilherme.

- 1 APA Municipal: APA do Carmo

- 2 Parques Estaduais: Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Curucutu, Pq. Villa Lobos.

- 11 áreas de propriedade particular: Clube Campestre de São Paulo, Clube da Varig, Clube Hípico de Santo Amaro, Condomínio Vargem Grande, Estrada da Vargem Grande, Parque Fazenda Castanheiras, Jardim Herculano, Reserva do Curucutu – RPPN, Sítio Margarida, Sítio Roda D'Água, Tênis Clube Paulista.

- 1 área do Estado: Fazenda Capivari da SABESP

Espécies de animais - Já foram identificadas 312 espécies de animais silvestres nessas áreas, sendo 8 diferentes espécies de peixes, 21 espécies de anfíbios, 28 espécies de répteis, 215 espécies de aves e 40 espécies de mamíferos.

O Município de São Paulo, com seu mosaico de ambientes, ainda oferece locais adequados ao abrigo, à alimentação e à reprodução da fauna. Pode-se encontrar desde espécies tipicamente urbanas como Rupornis magnirostris (gavião-carijó), Rhinoptynx clamator (coruja-orelhuda), Passer domesticus (pardal), Coragyps atratus (urubú-de-cabeça-cinza), até espécies que necessitam de matas preservadas como o Ramphastos dicolorus (tucano-de-bico-verde), Tangara seledon (sete-cores), Thraupis ornata (sanhaço-de-encontro-amarelo) e Pyrrhura frontalis (tiriba-de-testa-vermelha), já ameaçada de extinção no município do Rio de Janeiro.

Os lagos dos parques Ibirapuera, Aclimação, Carmo, Cidade de Toronto, Jardim Felicidade e Vila dos Remédios abrigam diversos representantes da avifauna aquática como Phalacrocorax brasilianus (biguá), Casmerodius albus (garça-branca-grande), Egretta thula (garça-branca-pequena), Nycticorax, nycticorax (savacu), Butorides striatus (socozinho), Gallinula chloropus (frango-d’água-comum), e os marrecos silvestres, Dendrocygna viduata (irerê), D. bicolor (marreca-caneleira) e Amazonetta brasiliensis (ananaí).

As áreas abertas e os campos antropizados da cidade são habitados por Bulbucus ibis (garça-vaqueira), Vanellus chilensis (quero-quero), Zenaida auriculata (avoante), Crotophaga ani (anu-preto), Speotyto cunicularia (buraqueira), Nystalus chacuru (João-bobo), Colaptes campestris (pica-pau-do-campo), Paroaria dominicana (cardeal), Volatina jacarina (tiziu), etc.

Dentre as espécies registradas na capital paulista, 18 são ameaçadas de extinção e 5 provavelmente ameaçadas de extinção, segundo o Decreto Estadual No 42.838/98. As espécies ameaçadas de extinção são: Leucopternis lacernulata (gavião-pomba), Spizaetus tyrannus (gavião-pega-macaco), Amazona aestiva (papagaio-verdadeiro), Aratinga auricapilla (jandaia-de-testa-vermelha), Diopsittaca nobilis (maracanã-nobre), Triclaria malachitacea (sabiá-cica), Laniisoma elegans (chibante), Procnias nudicollis (araponga), Pyroderus scutatus (pavão-do-mato), Oryzoborus angolensis (curió), Sporophila ruficollis (coleirinho), Puma concolor (onça-parda), Lutra longicaudis (lontra), Tapirus terrestris (anta), Callithrix penicillata (sagüi-de-tufo-preto) e Alouatta fusca (bugio).

Os provavelmente ameaçados de extinção são: Hydromedusa tectifera (cágado-pescoço-de-cobra), Leptodon cayanensis (gavião-de-cabeça-cinza), Penelope obscura, (jacuguaçu), Gracilinanus microtarsus (cuica) e Procyon cancrivorus (mão-pelada).

Apesar da importância dos resultados obtidos, a rápida destruição dos habitats, causada pelas ocupações irregulares nas Áreas de Proteção aos Mananciais, constitui a maior ameaça sobre esta diversidade faunística. Além disso, à medida que a população se aproxima das áreas onde ainda existem animais silvestres, aumenta a incidência de caça e captura para manutenção em cativeiro ou para comércio ilegal.

Neste contexto, programas como o BIOTA - FAPESP, que visa o levantamento, a organização e a divulgação ampla dos dados sobre biodiversidade e o Atlas Ambiental do Município de São Paulo, são iniciativas importantes na tentativa de reverter esse quadro ao subsidiar ações governamentais e não governamentais de proteção ambiental e planejamento urbano.

Espécies de fauna em SP - Abaixo estão listadas algumas espécies da fauna encontrada no município de São Paulo, ilustradas por fotos de autoria de Gloria Jafet, cedidas pela Fundação Parque Zoológico de São Paulo:

Corujinha-do-mato-jovem (Otus choliba)

Corujinha-do-mato-adulta (Otus choliba)

Tucano-de-bico-verde (Ramphastos dicolorus)

Pavão-do-mato (Pyroderus scutatus)

Sabiá-una (Platycichla flavipes)

Sete-cores (Tangara seledon)

Gambá-de-orelha-preta (Didelphis marsupialis)

Veado-catingueiro (Mazama gouazoupira)

Bugio (Alouatta fusca)

Lagarto-teiu (Tupinambis teguixim)

Perereca (Hyla faber)

Estudo de caso

A araponga (Procnias nudicollis) vive em matas primárias podendo invadir capoeiras. Ocorre de Pernambuco ao Rio Grande do Sul, na Argentina e no Paraguai (Sick, 1997). Está ameaçada de extinção no Estado de São Paulo, na categoria vulnerável, devido à supressão da mata atlântica e por ser procuradíssima pelo mercado clandestino de aves de gaiola (Höfling & Camargo, 1993).

Em 1819, o canto característico da araponga foi ouvido nos arredores da cidade de São Paulo por Auguste de Saint-Hilaire (Höfling & Camargo, 1993). P. nudicollis foi também registrada, mesmo que ocasionalmente, por: PINTO (1944), na Serra da Cantareira, fora do Município de São Paulo; MATARAZZO-NEUBERGER (1990) e HÖFLING & CAMARGO (1993) na Cidade Universitária “Armando de Salles Oliveira” – Reserva CUASO; GRAHAM (1992) na Serra da Cantareira – dentro do Município de São Paulo e SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE (1999), no Núcleo Curucutu da Reserva Estadual da Serra do Mar e na Fazenda Capivari da SABESP.

Registros mais recentes, ainda não publicados, efetuados por técnicos da Divisão de Fauna da SMMA/PMSP, revelam a presença dessa espécie em outras localidades do Município de São Paulo. No Parque Ibirapuera foi observado: um casal de P. nudicollis alimentando-se de frutos de Ficus microcarpa em 03/09/99, uma fêmea alimentando-se de frutos de Livistona sp em 29/01/00, um macho e um jovem em 13/10/00, um macho em 14/10/00, e um jovem em 15/10/00.

O canto da araponga foi registrado no Parque Santo Dias em 07/12/98, no Clube Hípico Santo Amaro em 21/10/99 e na Reserva do Curucutu - RPPN em 16/01/01. No Parque Previdência, uma fêmea bateu na vidraça de uma edificação em 09/06/99 vindo a óbito.

À primeira vista, muitos desses registros estavam sendo considerados como escape de cativeiro. Porém, devido à presença de indivíduos jovens e de fêmeas, que não são atrativos no mercado ilegal como os machos, e pela sazonalidade dos registros, geralmente nos meses de setembro a janeiro, os dados apresentam forte indicativo de que esses espécimes sejam de vida livre. Todavia, estudos complementares são necessários para comprovar essa hipótese.

Por ser característica da mata atlântica, o fato de P. nudicollis estar visitando pequenas porções de vegetação nativa, em meio à densa mancha urbana, bem como ambientes implantados, como o Parque Ibirapuera, é significativo para a cidade de São Paulo.

Ações que visem o aumento da riqueza florística desses “espaços verdes”, levando em consideração às necessidades alimentares da fauna, é uma estratégia valiosa para a conservação das espécies que se encontram na lista de ameaçadas de extinção.

Informações adicionais sobre a flora e a fauna do município de São Paulo também podem ser obtidas no site da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA), nos seguintes endereços:

Flora: http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/meio_ambiente/servicos/herbario/001

Fauna: http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/meio_ambiente/fauna_flora/fauna/0001




Dados de fauna e flora


Cratera da colônia


Cratera da colônia


Cratera da colônia


Cratera da colônia


Abutilon regnelli Miq.


Sophronites coccinea Rchb.f


Hippeastrum aulicum (Ker-Garol) Herb. Lili


Subosque de eucaliptal


Psychotria ruelliifolia ( Cham. & Schtdl.) Müll.Arg.


Fazenda da SABESP - Rio Capivari


Parque Cidade de Toronto


Jacaranda mimosifolia D.Don


Figueira mata-pau


Dendê


Dendê


Chichá


Macaranga


Macaranga - inflorescência


Palmeira imperial


Araucaria manila Copal


Ficus microcarpa L. f.


Artocarpus heterophyllus Lam.


Momordica charantia L.


Flamboiã


Asa de papagaio


Manduirana


Manduirana


Camarão - botão floral


Manacá de cheiro


Lírio amarelo ( Liliácea)


Abricó de macaco - detalhe da flor


Abricó de macaco - flor e frutos


Sete-cores


Bugio


Corujinha-do-mato (jovem)


Corujinha-do-mato (adulta)


Tucano-de-bico-verde


Pavão-do-mato


Sabiá-una


Sete-cores


Gambá-de-orelha-preta


Veado-catingueiro


Bugio


Lagarto-teiu


Perereca


Presença de araponga em SP


atlasambiental@prefeitura.sp.gov.br