- Desmatamento
1991 - 2000
escala 1:100.000 (DWF), 1:200.000 (JPG) e 1:100.000 (PDF)
||||

- Cobertura Vegetal
1999
escala 1:100.000 (DWF), 1:200.000 (JPG) e 1:100.000 (PDF)
||||

- Distribuição da Vegetação no Município
1999
escala 1:100.000 (DWF), 1:200.000 (JPG) e 1:100.000 (PDF)
||||

- Alteração da Vegetação Significativa na Bacia do Cabuçu de Baixo
2002
escala 1:40.000 (DWF), 1:80.000 (JPG) e 1:40.000 (PDF)
||||

- Alteração da Vegetação Significativa na Bacia do Cabuçu de Baixo (detalhe)
2002
escala 1:20.000 (DWF), 1:40.000 (JPG) e 1:20.000 (PDF)
||||

* Para visualizar os mapas, consulte a seção Índice de Mapas



Vegetação Significativa


A publicação Vegetação Significativa do Município de São Paulo decorre de trabalho elaborado pela Secretaria de Planejamento da Prefeitura - Cadastramento dos Espaços Arborizados Significativos do Município de São Paulo -1984-85, quando foram levantados, mapeados e identificados conjuntos e exemplares arbóreos significativos no município.

O referido trabalho não teve como objetivo a realização de um cadastramento botânico detalhado, mas baseou-se em alguns critérios importantes quanto à seleção das ocorrências a realçar .

Em princípio, foi dada ênfase ao reconhecimento da vegetação arbórea, visto ser esta categoria vegetal a que mais contribui tanto para a organização dos espaços na cidade, como para manutenção das condições ambientais

Nas áreas urbanizadas, os critérios foram os seguintes:

- a qualidade dos componentes vegetais;
- a extensão e a densidade do conjunto arborizado;
- o fato de constituir um testemunho da vegetação autóctone;
- a localização do conjunto na cidade e sua importância como ponto referencial e como "pausa" entre áreas densamente ocupadas;
- a carência de vegetação de porte no bairro;
- a tipologia da área em que a vegetação está inserida, seu grau de utilização e de fruição visual;
- sua contribuição para amenizar as condições ambientais.

Para exemplares arbóreos isolados, os critérios de seleção foram a raridade ou a pequena ocorrência da espécie no município, a notabilidade do porte, a condição de exemplar autóctone de cultivo pouco freqüente e sua importância na paisagem.

Nas áreas rurais não houve propriamente uma seleção, mas sim um mapeamento resumido das diferentes ocorrências de vegetação relacionadas com sua situação geomorfológica: áreas com revestimento florestal autóctone, áreas reflorestadas, áreas com plantios heterogêneos de grande porte, correspondendo a sítios, chácaras, e clubes.

Os critérios utilizados resultaram numa seleção às vezes aparentemente "injusta" quanto à qualidade da vegetação, mas justificada por sua inserção em determinado contexto urbano ou em situação geográfica específica.

A metodologia adotada para efetuar o cadastramento foi assim constituída:

- Localização das áreas arborizadas em foto aérea na escala 1:35.000 (EMPLASA -1980-81);
- Mapeamento das áreas em cartas do município na escala 1:5.000 (zona urbana) e 1:10.000 (zona rural);
- Levantamentos de campo, cobrindo toda a área transitável do município, realizados por equipes de arquitetos, paisagistas e estagiários, reconhecendo o tipo de ocorrência de vegetação, coletando material para identificação e fotografando a ocorrência.
- Reconhecimento do material coletado e, quando necessário, ida de botânico ao local (o curto prazo do levantamento impediu algumas vezes o reconhecimento da espécie, por falta de material florífero).
- Mapeamento definitivo das ocorrências, tanto dos conjuntos arborizados como de exemplares isolados, na escala 1:5.000 (zona urbana) e 1:10.000 (zona rural);
- Elaboração de fichas descritivas das ocorrências cadastradas, com caracterização da vegetação, resumo da situação física e urbana do local e fotografias.

Para organizar a presente publicação, que sintetiza o material cadastrado, optou-se pelo seguinte plano de trabalho:

- Seleção das ocorrências cadastradas visando ressaltar tanto seu valor como sua representatividade, agrupadas conforme o tipo e o uso da área, para facilitar a consulta e oferecer um panorama do setor focalizado. Os conjuntos e exemplares arbóreos selecionados foram fotografados, tendo-se redigido uma ficha simplificada com a descrição da ocorrência e de sua localização. Embora a ênfase seja dada à vegetação, julgou-se importante localizá-la no contexto físico em que se insere e, quando necessário, historicamente. As ocorrências de vegetação não descritas em detalhe foram apenas mapeadas com indicação esquemática de suas características;

- Mapeamento do material na escala 1 :25.000 (área urbana) e 1 :50.000 (zona rural).

Para conhecer mais sobre este tema, veja a publicação Vegetação Significativa do Município de São Paulo.





Vegetação Significativa do Município de São Paulo


atlasambiental@prefeitura.sp.gov.br